Pará e Portugal firmam cooperação para impulsionar economia bilateral

As relações entre Pará e Portugal estão cada vez mais próximas. E no que depender do engajamento entre os governos, entidades e empreendedores locais, essa aproximação promete aquecer nos próximos anos a corrida pela internacionalização dos negócios e impulsionar a economia bilateral. Para destacar as vantagens competitivas do Estado nesse cenário e favorecer a articulação de parcerias, a comitiva do governo do Estado promoveu no último dia 5, em Lisboa, capital portuguesa, o evento “Pará, um mundo de oportunidades”, que reuniu empresários brasileiros e portugueses, além de representantes de organizações de diferentes setores produtivos.

O encontro fez parte da missão comercial que aconteceu na última semana no país europeu, por iniciativa da Câmara de Comércio Brasil-Portugal, em conjunto com a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, seção Pará (ADVB-PA), em parceria com a ADVP Portugal, Associação Comercial (ACP) e Federação das Indústrias do Pará (Fiepa). Na ocasião, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, juntamente com o secretário de Turismo, Adenauer Góes, e o presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec), Olavo das Neves, assinaram protocolos de cooperação com as instituições que representam o setor privado português, a fim de consolidar uma atuação integrada em busca de novos mercados.

“A visita da comitiva paraense é sinônimo de oportunidade. Essa sinergia que trocamos é muito importante para definirmos alternativas efetivas para internacionalização dos nossos negócios, pois queremos fazer de Portugal uma porta de entrada, gerando oportunidades para o desenvolvimento. Esses são apenas os primeiros passos para edificar uma relação duradoura e não tenho dúvidas de que juntos vamos mais longe”, disse o presidente da Confederação das Indústrias de Portugal (CIP), Antônio Saraiva.

Para o ministro da Economia de Portugal, Manuel Caldeira Cabral, a iniciativa paraense é exemplo de comprometimento e serve de referência para outras localidades que também planejam expandir os negócios. “Às vezes, são nesses momentos de instabilidade que surgem as melhores chances para crescer e encontrar novos caminhos para o conhecimento. Apostar nessa transferência de tecnologia e informações torna o ambiente propício para investimentos que podem trazer vantagens para ambos os lados. Por isso, por meio do Ministério da Economia, queremos dar todo o apoio necessário para incentivar portugueses que queiram investir em negócios do outro lado do mundo, principalmente se nesse local também fala-se língua portuguesa”, afirmou.

Oportunidades – Mesmo diante do momento político delicado que o Brasil tem enfrentado desde o ano passado, o Pará se manteve bem na balança comercial, com saldo de R$ 9,3 bilhões de dólares, tendo o agronegócio e a mineração como os principais protagonistas no resultado positivo. “Hoje o Pará se destaca também pelo crescimento na produção industrial e na geração de empregos. Para desenvolvermos esses potenciais, nosso desafio é garantir um ambiente seguro para atração de investidores. A expectativa é que agora, com novo fôlego político no país, o ambiente fique mais otimista e propício para investimentos no nosso Estado”, avaliou Adnan Demachki.

O Pará é uma das principais apostas da companhia aérea TAP Portugal, que desde 2014 opera o voo internacional que liga Belém e Lisboa. “Apesar da crise política no Brasil, nossa aposta é muito grande no mercado paraense. Nos últimos anos, Belém foi uma surpresa muito positivas e nós estamos motivados a continuar esses investimentos”, afirmou o presidente da TAP, Fernando Pinto. “Ainda temos inúmeros desafios pela frente até que o cenário político brasileiro se estabilize e possamos voltar a crescer, mas acredito que temos oportunidades de nos unir para crescermos juntos, desenvolvendo ações realmente práticas e objetivas”, completou.

Com a facilidade de acesso via conexão aérea direta, as relações comerciais entre Pará e Portugal registraram um salto. Nos últimos dois anos foram mais de R$ 107,1 milhões em produtos paraenses exportados para o país ibérico. Além do aumento no fluxo de mercadorias, a parceria já iniciada com a TAP pretende consolidar o Pará como destino turísico nacional e internacional, recebendo quatro milhões de visitantes por ano, o que quadruplica a receita no setor.

Segundo o presidente do grupo hoteleiro Vila Galé, Jorge Rebelo de Almeida, para fortalecer a atração de investimentos na área de hotelaria é fundamental garantir a criação de um polo turístico capaz de atender a demanda. “Temos interesse em empreender região, mas percebemos que há urgência na melhoria da qualificação dos serviços hoteleiros em todo o Brasil. Por isso vale a pena sim estabelecer parcerias entre governos e entidades no que se refere a capacitação dos profissionais do setor. Só temos a ganhar”, avaliou.

Além de apresentar a gama de oportunidades de investimento que o Pará oferece, a intenção da comitiva paraense também foi viabilizar a organização de missões de empresários portugueses ao Estado, para que possam avaliar de perto as possibilidades de parceria em projetos de desenvolvimento. “Neste momento, o Pará está escrevendo um novo futuro. Estamos empenhados em fazer o que for possível para corresponder essa confiança depositada em nós”, disse o presidente da Codec, Olavo das Neves.

Negócios – O município de Oeiras, que fica a 20 km de Lisboa, abriga um dos maiores polos de pesquisa tecnológica e de investigação, o Taguspark, que concentra grandes multinacionais, além de startups também na área de tecnologia. O parque funciona como um catalizador de relacionamento entre essas empresas. Para o professor Carmona Rodrigues, administrador do parque tecnológico, essa junção de esforços pode ser muito significativa. “É com muita satisfação que vemos empresas sairem da incubadora e ganharem mercado. O sucesso do Taguspark se deve a agregação de diferentes conjuntos de entidades, com características diferentes, mas que se associaram e trazem essa diversidade para o projeto”, disse.

Segundo o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes, os encontros em Portugal representam a construção de um futuro sustentável para o Pará, inspirado no equilíbrio do conhecimento e na sabedoria, na troca de boas práticas. “Fomos recebidos por todos de uma forma muito gentil e calorosa. Isso se deve, sem dúvida, a energia daqueles que tiveram a oportunidade de junto conosco viabilizar este evento. Esta missão nasceu de um entrosamento da ADVB-PA com a ADVB-SP, em parceria com a ADVP Portugal, que se juntaram a Associação Comercial do Pará, valorizando sempre o nosso passado, nossas raízes, trabalhando no presente e semeando o nosso futuro”, finalizou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.